www.hojeamazonia.com.br

OPÇÕES
Logo
Terça, 30 de novembro de 2021
Publicidade
Publicidade

Policial

Após quase duas décadas em queda, exploração de crianças e adolescentes torna a aumentar em consequência da pandemia

160 milhões de criãnças e adolescente exploradas no mundo, uma alta de 8,4 milhões nos últimos quatro anos.

Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Trabalho infantil volta a crescer; são 160 milhões em todo o mundo

 

Infância roubada: estudo, que não traz dados específicos do Brasil, alerta sobre a necessidade de proteger as camadas vulneráveis da população. 

Após quase duas décadas em queda, exploração de crianças e adolescentes torna a aumentar em consequência da pandemia. Segundo a OIT e o Unicef, são 160 milhões em todo o mundo, uma alta de 8,4 milhões nos últimos quatro anos.

No Dia Mundial contra o Trabalho Infantil, celebrado neste 12 de junho, há pouco o que comemorar. O relatório Trabalho infantil: estimativas globais 2020, tendências e o caminho a seguir aponta que o número de crianças nessa situação, no mundo, subiu para 160 milhões — um aumento de 8,4 milhões nos últimos quatro anos — e que os impactos da pandemia pela covid-19 foram mais drásticos para esse grupo. O estudo foi feito pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). A previsão é de que, se nada for feito, em escala mundial, haja um adicional de nove milhões de vítimas de trabalho infantil no final de 2022 como resultado da pandemia.

O relatório alerta que as medidas contra essa realidade, que vinham tendo progresso, estão estagnadas pela primeira vez em 20 anos, revertendo a tendência anterior de queda. Entre 2000 e 2016, houve uma diminuição de 94 milhões de crianças no trabalho infantil. A partir de 2020, houve um aumento substancial no número de crianças de 5 a 11 anos em situação de trabalho infantil, e a quantidade de crianças de 5 a 17 anos em trabalhos perigosos (que prejudicam saúde, segurança ou moral) cresceu em 6,5 milhões desde 2016, para 79 milhões. “As novas estimativas são um alerta. Não podemos ficar parados enquanto uma nova geração de crianças está em risco”, disse Guy Ryder, diretor-geral da OIT.

Na África Subsaariana, houve um adicional de 16,6 milhões de crianças em situação de trabalho infantil nos últimos quatro anos. Mesmo em regiões onde houve algum avanço desde 2016, como Ásia e Pacífico, e América Latina e Caribe, a covid-19 está colocando em risco esse progresso. O estudo não traz dados específicos para o Brasil.

No país, foi criada a campanha conjunta #NãoaoTrabalhoInfantil, reunindo Justiça do Trabalho, Ministério Público do Trabalho (MPT), OIT e Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (FNPETI). Ana Maria Villa Real, coordenadora nacional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente do MPT destaca que, em 2021, Ano Internacional para a Eliminação do Trabalho Infantil, a campanha ganha sentido especial.

“A sociedade, o Estado e as famílias precisam entender que lugar de criança é na infância”, reforçou. “O Estado tem que tomar a iniciativa de proteger as famílias que estão em vulnerabilidade socioeconômica e aumentar a proteção trabalhista, combatendo a informalidade. E incrementar políticas públicas voltadas à inclusão da população negra, porque o trabalho infantil no Brasil tem cor: 66% dos trabalhadores infantis são negros: pretos ou pardos”, afirmou a procuradora do Trabalho.

Isa Oliveira, secretária-executiva do FNPETI, pontuou que entre os principais motivos da expansão do trabalho infantil estão os cortes orçamentários. Ela destacou que, embora o relatório da OIT e do Unicef aponte uma queda na América Latina e no Caribe, o que se observa, principalmente nas grandes capitais, são crianças e adolescentes submetidos à exploração sexual e ao trabalho doméstico.

“A fome voltou a assombrar o Brasil. Sem dúvida, o coronavírus teve efeitos muito mais fortes entre os vulneráveis. A mudança dessa realidade depende de decisão política. Os Executivos estaduais, municipais e o federal precisam destinar recursos para a proteção dos mais vulneráveis”, reforçou.

Patrícia Ramos, diretora de Cidadania e Direitos Humanos da Associação Nacional dos Magistrados do Trabalho (Anamatra), lembrou que, no Brasil, em 2016, 2,1 milhões de jovens estavam em atidistinta. “Por trás dos defasados dados oficiais — que não consideram os efeitos da pandemia — se escondem situações subnotificadas de exploração infanto-juvenil, em várias frentes, inclusive pela prática naturalizada de levar meninas às capitais para ‘ajudarem em casas de família’ em troca de comida e teto”, enfatizou.

 

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade