www.hojeamazonia.com.br

OPÇÕES
Logo
Terça, 30 de novembro de 2021
Publicidade
Publicidade

Geral

Crise migratória sem precedentes dispara na América Latina

Em 2020, os migrantes internacionais representavam 2,6% da população total da América do Sul, um aumento de quase 1% do registrado em 2015

Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

 Em uma recente manhã de sábado, Cristina Oyarzo, uma historiadora de 41 anos que mora na cidade costeira de Iquique, no Chile, perto da fronteira com a Bolívia, estava muito tensa. Como muitos outros residentes, ela viu nas redes sociais que haveria uma manifestação anti-imigrantes algumas horas depois e ficou preocupada que as coisas saíssem do controle. Ela tinha razão.

Nos últimos meses, Iquique se tornou uma parada para muitos migrantes latino-americanos escapar da pobreza e da turbulência política em seus países. As tensões entre a multidão de migrantes e a população local aumentaram progressivamente.

No fatídico sábado, 25 de setembro, eles chegaram a um ponto de ebulição: milhares de pessoas participaram de protestos anti-imigrantes que culminaram em violência quando alguns atacaram um grande grupo de migrantes venezuelanos.

Oyarzo, que saiu de casa para registrar o protesto, disse que chegou ao calçadão da cidade e viu um grupo de manifestantes pegando sete jovens venezuelanos, um deles sem uma perna, e tentando atacá-los fisicamente. Outras pessoas intervieram, mas os agressores conseguiram roubar as mochilas dos migrantes, gritando que eram “criminosos” e “ladrões”.

“Foi horrível!”, contou Oyarzo. “Os migrantes estavam desesperados porque estavam encurralados entre seus agressores e o mar. Eles não tinham saída”.

Em outras partes da cidade, os manifestantes seguravam bandeiras chilenas com mensagens dizendo “Venezuelanos sujos saiam do nosso país” ou “Os direitos humanos são para os chilenos” e entoavam o hino nacional. Também gritavam com os migrantes, muitos deles famílias com filhos pequenos, para que retornassem ao seu país. Alguns até cuspiram neles e incendiaram roupas, carrinhos, brinquedos e colchões.

Imigrantes venezuelanos cruzam a pé a fronteira entre Venezuela e Brasil, próximo ao município de Pacaraima, em Roraima

A violência em Iquique, uma cidade com cerca de 200 mil habitantes, reflete uma tensão crescente em relação à migração na América Latina. O êxodo histórico da Venezuela, o grande número de haitianos que se desloca pelo continente e outros migrantes regionais que perderam seus empregos devido à pandemia contribuíram para uma crise humanitária sem precedentes na região.

Mudança dos padrões

“Sempre tivemos migrantes na América Latina e no Caribe”, disse Cristián Doña-Reveco, diretor do Escritório de Estudos Latinos e Latino-Americanos da Universidade de Nebraska-Omaha.

“O que está mudando são os padrões, a resposta dos governos aos diferentes fluxos e o efeito que eles têm na vida dos migrantes”, acrescentou.

Em meados de 2020, os migrantes internacionais representavam 2,6% da população total da América do Sul, um aumento significativo de quase 1% do registrado em 2015, de acordo com a Organização Internacional para as Migrações (IOM).

Quase 80% deles vieram de outro lugar na América do Sul e muitos estão agora em trânsito devido a posições cada vez mais difíceis sobre a imigração em vários países. Outra razão é a pandemia, que exacerbou as já difíceis condições de vida e rareou os empregos.

Entre 2000 e 2017, vários líderes sul-americanos, incluindo presidentes da Argentina, Chile, Equador e Bolívia, pressionaram por leis de imigração mais progressistas que tornariam mais fácil para os migrantes cruzar as fronteiras, trabalhar legalmente e obter vistos de residência. Mas as tendências políticas mudaram desde então e as restrições ao movimento estão ganhando força.

Na Argentina, por exemplo, o principal destino dos migrantes na América do Sul, o então presidente Mauricio Macri aprovou um decreto em 2017 para limitar a entrada de imigrantes e facilitar a deportação, o que causou duras críticas das Organização das Nações Unidas (ONU). No Chile, o presidente Sebastián Piñera também endureceu as políticas de imigração.

O tumulto político também aumentou a pressão. Grandes protestos no Chile e na Colômbia, um golpe na Bolívia, uma crise política que viu três homens diferentes assumirem a presidência do Peru em uma semana e o fortalecimento do regime autoritário da Venezuela levaram milhões de latino-americanos a sair em busca de uma vida melhor.

“Embora tradicionalmente existissem países latino-americanos que eram o destino final de muitos migrantes, atualmente todas as nações da região têm tanto migrantes que chegam para se estabelecer como aqueles que estão de passagem”, detalhou o especialista Doña-Reveco.

O êxodo venezuelano

Os venezuelanos estão no centro da atual crise humanitária na região. Desde que Nicolás Maduro assumiu o poder há quase uma década, a turbulência política e a desaceleração da economia levaram o país ao colapso. Hiperinflação, cortes de energia, escassez de alimentos, água e medicamentos essenciais, bem como perseguições políticas, fizeram com que mais de cinco milhões de venezuelanos deixassem a Venezuela, segundo a OIM. Destes, 79% se mudaram para outras nações da América do Sul.

A migração venezuelana começou com profissionais altamente qualificados, que tinham meios para viajar e se estabelecer em outros países sem muitos problemas, mas inclui cada vez mais pessoas pobres da classe trabalhadora. Especialistas dizem que o volume desse fluxo é comparável à crise de refugiados sírios.

Marcela Tapia, pesquisadora do Instituto de Estudos Internacionais da Universidade Arturo Prat em Iquique, contou que todos os dias a caminho do trabalho vê centenas de venezuelanos acampando na praia ou nas ruas.

“O que mudou aqui mais recentemente é o impacto da pandemia e do fechamento de fronteiras para deter a Covid-19”, afirmou. “Os que vieram nos últimos meses estão entrando ilegalmente e estimamos que apenas um terço deles viajou diretamente da Venezuela. Os demais vieram da Colômbia, Equador ou Peru porque perderam seus empregos lá”.

Tapia disse que recentemente levou uma mulher e seus quatro filhos, incluindo um bebê, para um abrigo. A mulher contou à pesquisadora que viera carona da Venezuela para o Chile depois que seu marido a deixou, na esperança de encontrar parentes em Santiago.

“Eles passaram dias sem comer, dependendo da caridade para sobreviver”, disse Tapia.

O Chile é um dos países mais ricos da região e um imã natural para os migrantes em busca de trabalho. Mas a viagem pela cidade de Colchane, um ponto de migração comum na fronteira com a Bolívia, é traiçoeira e envolve caminhar longas horas por um planalto a uma altitude de mais de 3.600 metros. De acordo com declarações recentes do prefeito de Colchane a uma estação de rádio local, 15 pessoas morreram este ano ao tentar chegar ao Chile, um número maior do que nunca no país.

Haitianos, a outra onda

Enquanto isso, muitos migrantes haitianos, que já foram o grupo que mais cresce no Chile, têm optado por deixar o país após anos lidando com o racismo aberto e as novas políticas governamentais que tornam cada vez mais difícil para eles cumprir os requisitos de visto e trabalhar legalmente. Milhares de haitianos estabelecidos anteriormente no Brasil e no Chile chegaram ao Texas, nos EUA, em setembro e passaram dias em abrigos improvisados em Del Rio, atraindo atenção global.

“Já existe tensão na região tanto sobre os fluxos migratórios venezuelanos quanto sobre os fluxos da América Central, e acho que os haitianos representam um desafio particular para alguns desses países porque foram ignorados por muito tempo”, disse Caitlyn Yates, pós-doutoranda de antropologia na Universidade de British Columbia que trabalhou com experiências de mobilidade de migrantes transnacionais que se deslocam dentro e além da América Latina.

“Veremos algumas situações muito tensas nas próximas semanas ou meses”, acrescentou.

“Queria voltar para a Bolívia”

As restrições da Covid-19 também exacerbaram as travessias não autorizadas de fronteira e confrontos em pontos de fronteira, segundo Jorge Martínez, pesquisador do Centro Latino-Americano e Caribenho de Demografia.

Em Iquique, a população migrante aumentou em parte porque muitos migrantes não têm a vacina contra a Covid-19 necessária para continuar sua viagem de ônibus ou simplesmente não podem pagar para continuar sua trajetória. Isso também está acontecendo em outros países, onde o fechamento de fronteiras prendeu alguns migrantes em uma espécie de limbo.

“Há pessoas que estavam migrando quando a pandemia começou”, contou Doña-Reveco.

“Eles queriam ir para o Chile, por exemplo, onde parentes iam lhes dar trabalho. Mas, quando chegaram ao Peru, as fronteiras estavam fechadas e eles não podiam seguir para o Chile. Todo o plano veio abaixo. Eles ficaram sem dinheiro, não têm contatos e estão presos em campos improvisados”.

Em vários países, as autoridades muitas vezes não conseguiram ou quiseram responder adequadamente às necessidades básicas dos migrantes vulneráveis em tais situações. Só depois da violência do mês passado em Iquique, o governo chileno anunciou uma série de medidas de assistência emergência para migrantes no norte do país. Além de um controle mais rígido das fronteiras, haverá novos abrigos ou vales-acomodação para afastar os migrantes das ruas; um centro de atendimento médico; e um centro de acolhimento para ajudar aqueles que planejam viajar para outras partes do país, onde têm parentes, a chegar ao seu destino.

“Os governos têm a responsabilidade de proteger essas pessoas para evitar a precariedade e as reações negativas das populações locais”, disse Martinez. “Existem acordos internacionais assinados e os países latino-americanos devem coordenar planos de ação para enfrentar esta emergência”.

Uma jovem de 26 anos que não quer que seu nome seja publicado porque teme ser deportada disse à CNN que deixou a Bolívia com sua irmã no final de julho. Nenhuma delas conseguiu encontrar trabalho em seu país de origem, e os poucos empregos que tentaram – faxina em casas, caixa de supermercado e linha de produção de uma empresa farmacêutica – pagavam menos do que o salário mínimo local. Ambas têm filhos para alimentar.

As duas irmãs bolivianas pagaram aos contrabandistas para levá-los ao Chile primeiro de microônibus, depois a pé, através da altitude e do frio das montanhas bolivianas. “Foi realmente assustador porque eu não sabia o que podia acontecer com a gente”, relatou a mulher. “Não sabíamos se iam nos roubar, o frio estava terrível, minha cabeça doía e por causa da altura senti que minhas orelhas iam explodir. Eu quase desmaiei”.

Durante sua jornada, ela viu famílias inteiras com crianças fazendo a travessia. Uma vez no Chile, ficou chocada com a quantidade de migrantes que viviam nas ruas. “Fiquei muito triste, tive vontade de chorar. Você vê muitas coisas que não pode imaginar, como pais roubando para alimentar seus filhos. No início, eu queria voltar para a Bolívia, mas não conseguia me imaginar tendo que fazer a travessia de novo”.

 

Fonte/Créditos: CNN BRASIL

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade