www.hojeamazonia.com.br

OPÇÕES
Logo
Terça, 09 de março de 2021
Publicidade
Publicidade

Economia

Depois do diesel, a gasolina? Mercado desconfia de Bolsonaro clonando Dilma e prejudicando o etanol

CVM deve abrir investigação sobre anúncio de troca no comando da Petrobras

Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O que pode estar por vir de interferência do presidente Jair Bolsonaro na política de preços da Petrobras (PETR3; PETR4) sobre o diesel, deixa também alguns agentes do mercado apreensivos em relação à gasolina. Por tabela, o setor de etanol já observa atento, olhando no retrovisor os prejuízos causados durante a repressão dos preços no governo Dilma Rousseff.

Bolsonaro zerou os impostos federais por dois meses sobre o combustível dos utilitários, mandou para o Congresso Projeto de Lei Complementar que unifica a cobrança do ICMS em todo o País (para todos os produtos energéticos), mas a indicação do general Joaquim Silva e Luna para o lugar de Roberto Castello Branco na estatal gera mais incertezas.

Sérgio Araújo, presidente da Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), lembra que os dois fundamentos de formação de preços dos combustíveis vão seguir pressionando independentemente da vontade do governo.

O petróleo está com viés de alta, com os produtores ainda segurando mais bombeamento, e com expectativas de aumento da imunização nos países centrais reforçando as economias. E o dólar deve seguir a trajetória de oscilar em alta, “diante da taxa de juros (Selic) a 2% e sem as reformas esperadas”.

“Então, é bem possível, sim, que tanto quanto forçar a Petrobras a segurar os preços do diesel, não repassando totalmente os custos das importações, a gasolina vai acabar também a sofrer interferência”, diz.

E já há defasagem na gasolina, acredita ele, portanto a interferência já estaria existindo mesmo com o governo e Castello Branco dizendo que a política de repasse de custos esteja funcionando.

Pelos cálculos da entidade, precisaria haver um aumento de R$ 0,08 a R$ 0,12 no combustível, mesmo considerando o reajuste de 10% na refinaria na sexta. No diesel, a média é de R$ 0,13. Nos dois casos, as variações dependem dos portos de internação.

Valor da gasolina engessado é sinônimo de perda de competitividade do etanol hidratado e remete à gestão da petroleira sob o governo Dilma. De 2011 a até praticamente deixar a presidência, isso custou R$ 40 bilhões de prejuízos ao setor sucroenergético, levando-se em conta, também, as dezenas de unidades produtoras que entraram em falência ou em recuperação judicial.

Produtores

Para os produtores de cana independentes, o custo foi mais alto, porque representou um preço deprimido pago pela matéria-prima, num período que dominava o ATR (total açúcar recuperável) como tabela única de cotação, no qual o valor de mercado do mix tem muita relevância. Muitos saíram da produção, sem capacidade de investir em melhorias, e o setor industrial passou a dominar os canaviais brasileiros.

Isso deixa em alerta a Feplana, a entidade nacional dos plantadores. Para o presidente Alexandre Lima, “pelo jeito, sim, poderá acabar sobrando para a gasolina também”. Igualmente gestor da cooperativa Coaf em Pernambuco, que agrega campo e a usina Cruangi, qualquer represamento da gasolina implicará em maior gravidade.

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade