www.hojeamazonia.com.br

OPÇÕES
Logo
Sábado, 25 de setembro de 2021
Publicidade
Publicidade

Mundo

Doença de primatas detectada em humanos no Reino Unido

Varíola de primatas detectada em pessoas deixa em alerta autoridades de saúde do Reino Unido

Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Casos de varíola do macaco são identificados em humanos no Reino Unido

O Reino Unido detectou duas pessoas com vírus da varíola do macaco, doença semelhante à varíola, porém mais branda. Os casos dessa doença são raros fora da África Central e Ocidental.
 
De acordo com autoridades de saúde britânicas, os dois pacientes são da mesma família, moram em North Wales e foram atendidos por um hospital na Inglaterra. Os casos são importados, mas não foi revelado em que país a dupla esteve.
A rara doença tropical, que causa sintomas semelhantes aos da gripe e bolhas na pele, é causada por um vírus transmitido por macacos, ratos, esquilos e outros pequenos mamíferos.
 
A transmissão de pessoa para pessoa pode acontecer por contato com fluidos corporais, lesões na pele ou nas superfícies da mucosa interna, como boca ou garganta, gotículas respiratórias e objetos contaminados.

Varíola do macaco

A varíola dos macacos é uma doença transmitida de animais para humanos. Os casos são frequentemente encontrados perto de florestas tropicais, onde existem animais que carregam o vírus.
Embora a varíola tenha sido erradicada em 1980, a varíola dos macacos continua a ocorrer em países da África Central e Ocidental, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Ela provoca sintomas semelhantes, mas menos graves, à varíola.
 
O primeiro caso de varíola do macaco em humanos foi registrado em 1970 na República Democrática do Congo. Desde então, a doença tem se concentrado em países da África central e ocidental. Fora dessas regiões, só foi identificada até hoje nos Estados Unidos, Israel e Reino Unido.
A detecção da doença é feita a partir de teste laboratorial. As amostras podem ser colhidas da erupção – pele, fluido ou crostas, ou biópsia quando possível.

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade