www.hojeamazonia.com.br

OPÇÕES
Logo
Quinta, 20 de janeiro de 2022
Publicidade
Publicidade

Geral

Doses da vacina para crianças serão aplicadas no intervalo de 8 semanas

Ministério da Saúde recua e não cobrará receita para a imunização nessa faixa etária. Doses devem começar a ser aplicadas neste mês

Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O Ministério da Saúde recuou da exigência de prescrição médica e autorizou a vacinação de crianças de 5 a 11 anos contra a covid-19. De acordo com a pasta, as duas doses devem ser aplicadas no intervalo de oito semanas, superior aos 21 dias especificados na bula do imunizante da Pfizer, o único liberado até agora para essa faixa etária. Segundo a secretária extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, Rosana Leite Melo, o maior período de intervalo provoca uma resposta imunológica melhor e previne — as raras — reações adversas.

Conforme informações do ministério, o primeiro lote de vacinas, com 1,248 milhão de doses, chegará ao Brasil no próximo dia 13. A intenção é de que a distribuição aos estados comece no dia seguinte. Até o fim do mês, o país receberá 3,7 milhões de unidades.

A pasta, no entanto, não anunciou a data do início da imunização. Pelo cronograma, o atendimento será em ordem decrescente, ou seja, de crianças mais velhas para as mais novas. A prioridade será para as que têm comorbidades ou deficiências permanentes. De acordo com estimativa do governo, há 20 milhões de crianças nessa faixa etária.

Mesmo não exigindo a prescrição, o ministério orienta que os pais procurem a recomendação prévia de um médico antes da imunização. A única obrigatoriedade será a presença de pais ou responsáveis no momento da vacinação, como prevê o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Caso outra pessoa conduza a criança para o posto de vacinação, terá de portar uma carta do responsável legal autorizando a aplicação da dose.

Ministro da Saúde Marcelo Queiroga
"Não é o grupo que tem maior mortalidade, mas toda a vida é importante, principalmente das nossas crianças", disse o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, durante o anúncio.

Dispensar a prescrição médica vai ao encontro do que era defendido pelos conselhos nacionais de secretarias estaduais de saúde (Conass) e secretarias municipais de saúde (Conasems), além da maioria dos que participaram de consulta pública aberta pela pasta.

A vacina da Pfizer destinada a crianças de 5 a 11 anos é diferentes da aplicada em adulto, conforme enfatizou Queiroga. "Essa faixa etária merece uma ênfase especial, até porque esse público precisa ser atendido por vacina específica. E essa tem dosagem equivalente a 1/3 da vacina aplicada nos adultos", destacou. "Isso foi testado em ensaios clínicos e logrou sucesso em agências sanitárias respeitáveis a exemplo do FDA (Food and Drug Administration — dos Estados Unidos), a exemplo da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) e, agora, a Anvisa atestou a segurança regulatória", acrescentou.

A autorização de vacinação para crianças ocorre em meio à resistência do presidente Jair Bolsonaro (PL) e de seus aliados à imunização dessa faixa etária. Antes de liberar, o ministério criou mecanismos que postergaram a decisão sobre a aplicação dos imunizantes, com a criação de consulta e audiência pública sobre o tema, que já havia sido autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em 16 de dezembro e chancelado por especialistas e pela experiência internacional.

Segundo o Ministério da Saúde, a maioria das pessoas que participou da consulta pública foi contrária à obrigatoriedade de prescrição.

 

Fonte/Créditos: Correio Braziliense

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade