www.hojeamazonia.com.br

OPÇÕES
Logo
Domingo, 18 de abril de 2021
Publicidade
Publicidade

Policial

Federal "cerca" grupo que extraia diamantes na Reserva do Roosevelt em Rondônia e mais 3 estados

Sete mandados de busca são cumpridos nas cidades de Espigão do Oeste (RO), Cerejeiras (RO), Clementina (SP), Montenegro (RS), e Domingos Martins (SP).

Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Cerca de 35 agentes da PF participam da operação. Sete mandados de busca são cumpridos nas cidades de Espigão do Oeste (RO), Cerejeiras (RO), Clementina (SP), Montenegro (RS), e Domingos Martins (SP).

A Polícia Federal (PF) deflagrou a operação Investor, nesta terça-feira (16), para desarticular um grupo criminoso especializado na extração ilegal de diamantes de duas terras indígenas em Rondônia.

Ao todo, os agentes cumprem sete mandados de busca e apreensão nas cidades de Espigão do Oeste (RO), Cerejeiras (RO), Clementina (SP), Montenegro (RS), e Domingos Martins (ES). Cerca de 35 agentes da PF participam da operação.

De acordo com a investigação, os diamantes eram extraídos de forma clandestina das Terras Indígenas Sete de Setembro e Reserva Roosevelt, nos municípios de Cacoal (RO) e Espigão, respectivamente.

A atuação do grupo em área indígena foi descoberta depois que um garimpeiro de Espigão do Oeste começou a procurar investidores na internet para fazer garimpagem de diamantes em Rondônia.

"No decorrer das investigações, a polícia identificou os investidores do garimpo, além de intermediadores, garimpeiros e indígenas envolvidos", diz a PF.

Ainda conforme revelou a polícia, esses investidores moram em outros estados e, ao longo de vários meses, enviaram altas quantias em dinheiro para financiar a extração de diamantes das reservas indígenas. Depois de retirar as pedras de Rondônia, as mesmas eram enviadas para fora do país e vendidas no exterior.

Divisão de valores

Segundo a PF, a Operação Investor descobriu qual era a porcentagem de lucro entre os integrantes do grupo criminoso:

20% do lucro obtido com os diamantes ficavam com garimpeiros

20% ficavam para indígenas que compactuavam com garimpos na área

outros 20% eram utilizados para custos de máquinario/produção

e o restante, 40%, ficavam totalmente nas mãos dos investidores

Os mandados de busca e apreensão desta operação foram autorizados pela Vara Federal da cidade de Vilhena (RO).

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade