www.hojeamazonia.com.br

OPÇÕES
Logo
Sexta, 12 de agosto de 2022

Geral

Filha de pastor do MEC que comprou carro recebeu auxílio emergencial

Tanto a filha quanto o genro se classificam como "carentes"

Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Pouco mais de 1 ano após receber o benefício social, filha do pastor comprou um carro de R$ 60 mil da esposa do ex-ministro Milton Ribeiro

A filha e o genro do pastor Arilton Moura, um dos líderes evangélicos presos por envolvimento no escândalo do MEC, receberam juntos mais de R$ 8 mil de auxílio emergencial do governo Jair Bolsonaro.

Segundo dados do Portal da Transparência levantados pela coluna, Victoria Camacy Bartolomeu recebeu sozinha R$ 3,9 mil, divididos em oito parcelas pagas entre maio e dezembro de 2020, primeiro ano da pandemia.

Victoria é a mesma filha do pastor que, em fevereiro de 2022, pouco mais de um ano depois de receber a última parcela do benefício social, comprou um carro da esposa do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro por R$ 60 mil.

A compra foi apontada pela defesa de Ribeiro para justificar a transação bancária suspeita entre o ex-ministro e do pastor, tida pela Justiça como determinante para decretação da prisão preventiva dos dois.

Documentos revelados pela coluna mostram que Victoria comprou um SUV Kia Sportage ano 2015, modelo 2016. A compra se deu um mês antes do escândalo do MEC ser noticiado, o que chamou a atenção da Polícia Federal.

Quanto recebeu o genro

Também preso por envolvimento no caso do MEC, o marido de Victoria, Helder Bartolomeu, por sua vez, recebeu R$ 4.150 de auxílio emergencial divididos em nove parcelas.

O casal obteve o benefício pela categoria de beneficiários que não estavam inscritos no Cadastro Único do governo, ou seja, que não recebiam antes benefícios sociais até então.

Eles se cadastraram para receber os recursos no município de Ananindeua, no interior do Pará, onde moravam até então. Desde 2021, pelo menos, o casal se mudou para Goiânia.

Fonte/Créditos: metropoles

Comentários: