www.hojeamazonia.com.br

OPÇÕES
Logo
Quinta, 20 de janeiro de 2022
Publicidade
Publicidade

Geral

Ihu: França detecta nova variante do coronavírus com mais mutações que Ômicron

Cientistas franceses identificaram uma potencialmente preocupante nova variante do coronavírus com 46 mutações.

Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Parece que foi ontem que a variante Ômicron foi descoberta na África do Sul, e nesta quarta (5), cientistas franceses descobriram uma nova variante do coronavírus, B.1.640.2, que ganhou o nome de Ihu. As descobertas foram relatadas em um estudo ainda não revisado por pares, publicado na plataforma medRxiv.

De acordo com o artigo, o primeiro caso dessa cepa foi identificado na cidade de Forcalquier, no departamento de Alpes da Alta Provença. A variante Ihu é derivada de uma outra cepa chamada B.1.640, localizada no final de setembro na República do Congo.

"Descrevemos o surgimento de uma nova variante. Para doze pacientes positivos para SARS-CoV que vivem na mesma área geográfica do sudeste da França, o teste qPCR mostrou uma combinação atípica. A análise revelou 46 mutações", apontam os pesquisadores. "Esses dados são mais um exemplo da imprevisibilidade do surgimento de variantes do SARS-CoV-2 e de sua introdução em uma determinada área geográfica", o artigo acrescenta.

Uma nova variante da covid-19 foi identificada há algumas semanas por pesquisadores franceses, derivada de outra cujos primeiros casos foram detectados na República do Congo em setembro de 2020.

A variante, da qual pouco ainda se sabe, foi batizada pelos cientistas com as iniciais do Instituto Hospitalar Universitário de Marselha, responsável pela descoberta. O centro especializado menciona uma dezena de casos na própria região de Marselha, e a opinião dos pesquisadores é que essa variante está associada principalmente a viajantes que vieram de Camarões, país que faz fronteira com a República do Congo.

Fonte/Créditos: medRxiv

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade