Hoje Amazônia - Portal de Notícias

Sexta-feira, 19 de Julho de 2024

Saúde

Veto a procedimento de aborto legal já afeta atendimentos a meninas estupradas

Uma resolução do Conselho Federal de Medicina proíbe médicos de realizarem o procedimento

Benê Barbosa
Por Benê Barbosa
Veto a procedimento de aborto legal já afeta atendimentos a meninas estupradas
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Reportagem da Folha de S. Paulo cita ao menos quatro casos de mulheres e crianças estupradas, com gestação avançada, que não estão tendo acesso ao direito legal de interromper a gestação

A resolução do CFM (Conselho Federal de Medicina) que proíbe médicos de realizarem um procedimento necessário para interromper gestações com mais de 22 semanas resultantes de estupro já causa entraves em hospitais brasileiros que fazem o aborto legal.

A norma veta a assistolia fetal, que consiste numa injeção de produtos químicos que provocam a morte do feto para, depois, ser retirado do útero da mulher. O procedimento é recomendado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) para casos de aborto legal acima de 20 semanas para evitar, entre outras coisas, que o feto seja expulso com sinais vitais antes da sua retirada do útero.

Leia Também:

Desde a publicação da norma na quarta-feira (3), a Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) já foi comunicada de pelo menos quatro casos de mulheres e crianças estupradas, com gestações avançadas, em que os médicos estão temerosos em interromper a gravidez devido ao veto imposto pelo CFM.

Um desses casos é de uma menina de 12 anos que está grávida de 27 semanas. Há autorização judicial para o aborto mas, mesmo assim, a equipe médica teme sofrer represálias do CFM.

Fonte: Folha de S. Paulo

Comentários:

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!