Hoje Amazônia - Portal de Notícias

Sexta-feira, 19 de Julho de 2024

Ciência & Tecnologia

Circulação do Oceano Atlântico se aproxima do ponto de inflexão “devastador”, segundo estudo

Uma das consequências seria a elevação do nível do oceano em 1 metro, causando enormes catástrofes

Hoje Amazônia
Por Hoje Amazônia
Circulação do Oceano Atlântico se aproxima do ponto de inflexão “devastador”, segundo estudo
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

O colapso do sistema de correntes que ajuda a regular o clima global ocorreria a uma velocidade tal que a adaptação seria impossível A circulação do Oceano Atlântico caminha para um ponto de inflexão que é “más notícias para o sistema climático e para a humanidade”, concluiu um estudo. Os cientistas por trás da pesquisa […]

O colapso do sistema de correntes que ajuda a regular o clima global ocorreria a uma velocidade tal que a adaptação seria impossível

A circulação do Oceano Atlântico caminha para um ponto de inflexão que é “más notícias para o sistema climático e para a humanidade”, concluiu um estudo.

Leia Também:

Os cientistas por trás da pesquisa disseram que ficaram chocados com a velocidade prevista do colapso quando o ponto for alcançado, embora tenham afirmado que ainda não é possível prever quando isso aconteceria.

Utilizando modelos informáticos e dados anteriores, os investigadores desenvolveram um indicador de alerta precoce para a quebra da circulação meridional do Atlântico (Amoc), um vasto sistema de correntes oceânicas que é um componente chave na regulação climática global.

Eles descobriram que a Amoc já está no caminho certo para uma mudança abrupta, o que não acontecia há mais de 10.000 anos e teria implicações terríveis para grandes partes do mundo.

A Amoc, que abrange parte da Corrente do Golfo e outras correntes poderosas, é uma correia transportadora marítima que transporta calor, carbono e nutrientes dos trópicos em direção ao Círculo Polar Ártico, onde esfria e afunda nas profundezas do oceano. Esta agitação ajuda a distribuir energia pela Terra e modula o impacto do aquecimento global causado pelo homem.

Mas o sistema está sendo corroído pelo derretimento mais rápido do que o esperado dos glaciares da Groenlândia e das camadas de gelo do Ártico, que despeja água doce no mar e obstrui o afundamento de águas mais salgadas e quentes provenientes do sul.

 Amoc diminuiu 15% desde 1950 e está no seu estado mais fraco em mais de um milênio, de acordo com pesquisas anteriores que suscitaram especulações sobre um colapso próximo.

Até agora não houve consenso sobre o quão grave isso será. Um estudo do ano passado, baseado nas mudanças nas temperaturas da superfície do mar, sugeriu que o ponto de inflexão poderia acontecer entre 2025 e 2095. No entanto, o Met Office do Reino Unido disse que mudanças grandes e rápidas na Amoc seriam “muito improváveis” no século XXI.

O novo artigo, publicado na Science Advances, abriu novos caminhos ao procurar sinais de alerta nos níveis de salinidade na extensão sul do Oceano Atlântico, entre a Cidade do Cabo e Buenos Aires. Simulando mudanças ao longo de um período de 2.000 anos em modelos computacionais do clima global, descobriu-se que um declínio lento pode levar a um colapso repentino em menos de 100 anos, com consequências calamitosas.

O jornal disse que os resultados forneceram uma “resposta clara” sobre se uma mudança tão abrupta era possível: “Esta é uma má notícia para o sistema climático e para a humanidade, pois até agora se poderia pensar que o depósito da Amoc era apenas um conceito teórico e o depósito desapareceria, assim que o sistema climático completo, com todos os seus feedbacks adicionais, fosse considerado.”

Também mapeou algumas das consequências do colapso da Amoc. O nível do mar no Atlântico aumentaria um metro em algumas regiões, inundando muitas cidades costeiras. As estações chuvosa e seca na Amazônia mudariam, potencialmente empurrando a já enfraquecida floresta tropical para além do seu próprio ponto de inflexão. As temperaturas em todo o mundo flutuariam de forma muito mais errática. O hemisfério sul ficaria mais quente. A Europa esfriaria dramaticamente e teria menos chuvas. Embora isto possa parecer atrativo em comparação com a atual tendência de aquecimento, as mudanças ocorreriam 10 vezes mais rapidamente do que agora, tornando a adaptação quase impossível.

“O que nos surpreendeu foi a taxa a que ocorrem as gorjetas”, disse o principal autor do artigo, René van Westen, da Universidade de Utrecht. “Será devastador.”

Ele disse que ainda não existem dados suficientes para dizer se isso ocorrerá no próximo ano ou no próximo século, mas quando acontecer, as mudanças serão irreversíveis nas escalas de tempo humanas.

Entretanto, a direção da viagem está, sem dúvida, numa direção alarmante.

“Estamos caminhando nessa direção. Isso é meio assustador”, disse van Westen. “Precisamos levar as mudanças climáticas muito mais a sério.”

Publicado originalmente pelo The Guardian em 09/02/2024 – 19h00

Por Jonathan Watts

Comentários:

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!