www.hojeamazonia.com.br

OPÇÕES
Logo
Sábado, 12 de junho de 2021
Publicidade
Publicidade

Agro

     FAPERON BUSCA UNIAO PARA IMPLANTAR POLITICAS PUBLICAS NO SETOR LEITEIRO DE RONDONIA

REUNIÃO DE ALINHAMENTO DE PROPOSTAS ESTRUTURANTES PODE ABRIR NOVAS PERSPECTIVAS

Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Acontece hoje, quinta, seis de maio, mais um reunião envolvendo pequenos e médios produtores de leite de Rondônia, representados pela Federação da Agricultura e Pecuária de Rondônia, lideres ruralistas, representantes do Governo de Rondônia e de instituições federais, estaduais e municipais.

               Como se esperava, diversos pequenos municípios onde a pecuária leiteira é o fator de equilíbrio econômico no comercio e serviços, apresenta sinais de forte retração. Considerando injusto o preço pago pelas indústrias, os pequenos e médios produtores suspenderam fornecimento aos laticínios.  Apesar de ficarem sem a renda mensal gerada pela produção de leite, o reflexo da retirada de dinheiro em circulação é muito maior na cidade do que no campo, principalmente porque o leite não é a única fonte de renda dos produtores rurais.

               Hélio Dias, presidente da FAPERON, disse  que a paralisação do fornecimento do leite ainda permanece em diversos pontos e não foram poucos os  que abandonaram a pecuária leiteira. “Alguns estão  voltando a atividade após nova negociação  de preços, com os valores padrão do leite de referência do Conseleite fixado em R$1,30, mais as bonificações de qualidade, fidelidade e outros benefícios.”, frisou Dias.

O presidente da FAPERON esclareceu que a meta dessa reuniao é reiniciar as discussões sobre os problemas que afetam o setor,  ainda nesse momento  de crise;  “É preciso achar mecanismos que criem  caminhos e soluções possíveis. Dependemos de  planejamento estratégico capaz de  evitar os mesmos problemas de baixos preços no período de grande oferta de leite in natura, sempre de fevereiro  a maio,  todos os anos. Todos os anos, todos os anos...” lamentou o presidente da Faperon.

INDUSTRIAS PRECISAM SE “REINVENTAR

No entendimento do presidente da Faperon, que acompanha a evolução da produção rural em Rondônia há mais de três décadas, é preciso reconhecer que as industrias de transformação de alimentos também foram impactadas pela crise gerada na pandemia. Entretanto, Dias observa que não se deve esperar “normalidade” futura. Hoje 80% do leite de Rondônia é transformado em mussarela. As pessoas mudaram os hábitos e mussarela, até para a classe média, não é produto de primeira necessidade. Existe mais oferta que procura. As indústrias lácteas precisam melhorar seu mix de produtos, buscar vias de exportação, diminuir custos. Esse modelo atual é o mesmo há décadas”, comenta Hélio Dias, observando que o mundo não é, hoje, o mesmo de ontem e será muito diferente amanhã. “Precisamos reaprender muita coisa. Inclusive sobre os novos hábitos de consumo do povo brasileiro”, enfatizou o líder classista.

               O evento de hoje é on-line e o link da videochamada é: https://meet.google.com/yhk-fykm-mnq.

Fonte/Créditos: Benê Barbosa

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade