www.hojeamazonia.com.br

OPÇÕES
Logo
Domingo, 18 de abril de 2021
Publicidade
Publicidade

Agro

Líder comunitário diz que migração para o campo é a saida contra o desemprego

Para o líder comunitário Irailton Terrinha, governo precisa criar programas de assentamento rural para diminuir desemprego pós pandemia

Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O líder comunitário Irailton D’Aurea, o Terrinha, disse, no inicio da semana, que o agronegócio sempre foi vital no equilíbrio da balança comercial brasileira, mas se transformou numa espécie de “herói nacional” agora, em tempos de pandemia, quando todos os outros setores produtivos recuaram. “ A safra de grãos 2020/2021 baterá novo recorde, ultrapassando 265 milhões de toneladas”, disse Terrinha, observando que só em Góias o agronegócio contratou 125 bilhões em crédito rural e que o setor agropecuário vai gerar cerca de um trilhão e 32 milhões de reais em 2021.

Para Terrinha é correto que o governo federal crie mecanismos para alavancar agricultura de precisão, que exporta muito e equilibra a balança comercial. “Mas existe um universo rural além das gigantescas colheitadeiras, dos aviões pulverizadores e dos caminhões bi-trem e navios carregados. É o universo da agricultura familiar, modelo de produção feita em milhões de pequenas propriedades Brasil afora”, aponta Terrinha, asseverando que apenas 13 mil tiveram direito ao programa Garantia Safra, que destina apenas 850 reais a cada núcleo familiar.

A desigualdade incomoda o líder comunitário, que é contundente ao afirmar que “quem coloca alimento fresco na mesa dos brasileiros não é o agronegócio de precisão. “As feiras e os mercados são abastecidos com aquilo que a agricultura familiar produz”, assevera Terrinha.

 Irailton Terrinha diz que, confirmadas as previsões de especialistas, a COVID-19 vai perdurar longo tempo e o desemprego nas cidades vai aumentar cada vez mais. Baseando-se nesse entendimento, Terrinha afirma que é preciso ação rápida do Governo Federal no sentido de alojar famílias na zona rural, onde vão produzir, garantir seu próprio sustento e fugir do desemprego. “Não estamos falando em distribuir gratuitamente terra para milhares de pessoas. Estamos falando na replicação, por exemplo, do projeto Crédito Fundiário, que uniu o governo federal, através do Incra, a Prefeitura, através da Semagric, a Emater e diversos outros órgãos, viabilizando a colocação de 200 pequenos produtores em pequenas propriedades, na antiga Fazenda Bentevi”, exemplifica Terrinha, que, no entanto, observa que as coisas não podem ter solução tardia, que as autoridades precisam e devem agir com rapidez. “O Brasil pós pandemia é uma incógnita. Mas é certo  que não existe mágica para recuperar a economia em 48 horas e nem criar milhões de empregos da noite pro dia”, assegura Terrinha, defendendo a urgente criação de agrovilas, capazes de garantir a segurança alimentar de milhões de brasileiros.

 

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade