www.hojeamazonia.com.br

OPÇÕES
Logo
Sexta, 12 de agosto de 2022

Arte e cultura

MP apura gastos de R$ 630 mil com shows de João Bosco e Vinícius e Tierry no Acre

Festividade está programada para ocorrer entre os dias 12 e 14 de agosto em Feijó, interior do estado.

Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Com previsão de gastos de mais de R$ 630 mil, os shows nacionais programados para a 23ª edição do Festival do Açaí, em Feijó, interior do Acre, viraram alvos do Ministério Público do Estado (MP-AC). O órgão instaurou um procedimento administrativo para apurar os possíveis gastos com cachês e outras aquisições para realização do evento.

O festival volta este ano a contar com a presença do público e apresentações musicais entre os dias 12 e 14 de agosto. Por conta da pandemia, a evento teve edições especiais com vacinação contra a Covid, cultos ecumênicos e transmissão pela internet.

O governo do estado anunciou nesta quinta-feira (30) que firmou convênio com a gestão do município para realizar o festival. A Secretaria Estadual de Empreendedorismo e Turismo (Seet) divulgou que a festividade representa uma oportunidade de movimentar a economia com o turismo e geração de empregos.

Devem se apresentar na festividade a dupla João Bosco e Vinícius e os cantores Tierry e Zezo. Conforme apurado pelo MP-AC, o pagamento dos cachês será nos seguintes valores:

Dupla João Bosco e Vinícius - R$ 319 mil;

Tierry - R$ 215 mil;

Zezo - R$ 100 mil

"Considerando a necessidade de se apurar se há interesse público primário nessas contratações, bem como se foram observados os princípios e regras previstas pela Lei de Licitações e Contratos (Lei nº 8.666/93) e, sobretudo, se a realidade financeira e orçamentária do município comporta essas despesas", destaca parte da portaria.

O órgão estadual enviou um ofício à Prefeitura de Feijó, solicitando, em um prazo de 24 horas, informações referentes as contratações, fontes utilizadas para os custos, que tipo de contrato será fechado com cada artista, se será contratação direta, dispensa ou inexigibilidade de licitação.

A Prefeitura de Feijó afirmou que já repassou as informações solicitadas pelo MP-AC no procedimento.

Serviços públicos precários

A apuração do MP-AC é baseada também na precariedade do serviços públicos na cidade. Segundo o órgão, a cidade enfrenta atualmente graves deficiências de infraestrutura, na saúde pública, educação, saneamento básico e outras áreas. A exemplo de:

Falta de aterro sanitário implantado, sendo que, inclusive, o “lixão” municipal já deveria ter sido encerrado há pelo menos 10 anos;

Falta de médicos contratados pelo município, sendo que todos os profissionais são do Programa Mais Médicos;

Inexiste esgotamento sanitário na maioria dos bairros;

Inexiste Centro de Capacitação Especializado para pessoas

com o Transtorno do Espectro Autista;

A cidade não tem abrigo;

Não há Centro de Zoonoses;

Falta moradia popular, inexistindo qualquer loteamento público de caráter social;

Inexiste serviço de transporte público;

Não há Lar do Idoso;

Outros.

"Se por um lado, o lazer é direto de todos e que deve ser assegurado e fomentado, principalmente em datas quando tradicionalmente a comunidade se reúne para comemorações, por outro lado, se impõe observar, de igual modo, que os gastos devem guardar correlação com a realidade financeira e orçamentária da cidade, sob pena de se relegar todos os outros direitos à completa inefetividade", destaca o procedimento.

No início do ano, os moradores de Feijó enfrentaram diversas enchentes do Rio Envira. Mais de mil pessoas chegaram a ser atingidas pelas águas do manancial. No dia 22 de março, o rio transbordou pela terceira vez

Fonte/Créditos: g1ACRE

Comentários: