www.hojeamazonia.com.br

OPÇÕES
Logo
Terça, 09 de março de 2021
Publicidade
Publicidade

Arte e cultura

BOM DIA, MADAME

Uma madame desconhecida que adora exigir de um jornalista as coisas mais absurdas...

Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O escriba já estava constrangido de tanto “filar” matérias dos colegas. Uma aqui, outra ali tudo bem...mas o tempo todo não. E pior que sempre esquecia de citar a fonte. Só não tinha sido interpelado ainda quem sabe porque os colegas respeitavam seus cabelos brancos. Ou nem perceberam, hipótese mais sensata. E no finalzinho da manhã, depois de produzir uns dois ou três textos, o telefone tocou. Número desconhecido...só podia ser cobrador ou, na melhor situação, a moça da operadora tentando empurrar um plano qualquer. “Esses planos pra celular são iguais os meus...nunca acabam bem”, pensou ele.

“Bom dia. Pois não? Como assim, com quem a senhora ta falando? Não sabe pra quem ligou, não? Ah sim, sou eu mesmo. E a senhora, quem é? Prefere não se identificar é? Mas o que a senhora quer de mim, madame? Sei, a pesquisa que acabamos de publicar...o que é tem a pesquisa, madame? O nome do seu filho não está lá? E quem é o seu filho, madame? É candidato a que? A qualquer coisa? Ora, minha senhora...eu não fiz pesquisa nenhuma...não é comigo que a dona tem que reclamar...aliás, quem foi que lhe passou meu número? Como ninguém? Achou no meu facebook foi?

Putaquepariu, pensou o escriba. Esse facebook é o tinhoso disfarçado de aplicativo. Precisava apagar dados imediatamente. E a madame continou:

 

 

“Perae, deixa ver...a madame quer que eu retire a pesquisa do site e exiga que o pessoal da empresa coloque o nome do seu filho? Em primeiro lugar? Lá no meio não serve, não, madame? Não, senhora, eu não vou tirar nada e nem vou falar com o pessoal da empresa. Madame, a senhora tá bem? Pegou Covid? Sim...isso poderia ser uma seqüela do vírus...ou o próprio vírus encarnado na senhora. Onde já se viu uma coisa dessa...quem é o seu filho, afinal de contas? Sei..é muito conhecido né? Faz vinte anos que disputa eleição? Eu entendi direito? Seu filho já foi candidato a tudo que é cargo? Associação do bairro, diretor de clube, de time de futebol, síndico, vereador, deputado, senador...é isso mesmo? E sempre perdeu porque toda vez é “roubado” nas urnas é? Madame, pelo amor de Deus..a senhora já ta incomodando, viu...nem o prefeito apareceu nessa pesquisa e a madame ta querendo o que?

O escrevinhador estava deveras assustado. Já fazia uns trinta anos que não encontrava criatura tão maluca. Seria a mesma madame de antigamente...não, não..sem chance.

“Olha, madame, não vou ficar aqui falando com a senhora o dia todo. Como assim, se eu desligar vai bater aqui na minha casa? E sabe lá onde moro, moça? Cantu...como é que é? Como descobriu meu endereço? Na minha conta do Google e sabe tudo da minha vida é? Isso é crime, madame...não pode ficar espionando as pessoas não...como? A madame tem uma proposta? Diga...

Rede social é perigoso mesmo, pensava o veterano, concluindo que era um analfabeto digital. Mas melhor seria prestar atenção na proposta da madame:

“Sim...então a senhora esquece isso do seu filho aparecer liderando pesquisa desde que eu escreva uma matéria falando dele? Igual a do tal Heitor Rui...que “tal” Heitor, madame. O engenheiro Heitor Rui Anderson foi o idealizador do FHITA, contribuiu muito no desenvolvimento do Estado. A madame tenha respeito. E o seu filho fez o que? Ah, se eu não publicar uma matéria bem bacana a senhora vai reclamar lá no Sindicato é? E a senhora acha que o Sindicato vai fazer o que, heim?  Pois vá...oh, meu Deus do céu...vamos fazer o seguinte... a madame faz ai um resumo das coisas que seu filho fez em beneficio da comunidade e eu escrevo sim, ta bom?  Mas eu preciso saber o nome dele...e o da madame também. Tá certo. Eu não quero isso não, mas vou aguardar a madame ligar de novo...tenha um bom dia, madame...”

Que almoço, que nada. Urgente mesmo era apagar tudo que era rastro na internet, Facebook, Instagram, Twiter, Google...tudo. “Mas as senhas desses troços? Onde estão as senhas? Quem saberia as minhas senhas? Primeiro ia ligar pras filhas...se elas não ajudassem ligaria pra ex...resolveria a situação, nem que fosse ficando invisível na rede normal para se enfiar na dark net. Não, nada disso...precisava mesmo era da velha máquina de escrever.

BINO

Nota - A primeira crônica BOM DIA, MADAME foi publicada no extinto jornal Correio do Estado, em Rolim de Moura, no inicio dos anos 90. Os leitores gostaram e a coluna era publicada semanalmente, enquanto o Correio circulou.  O autor  revive a MADAME  depois de quase trinta anos, mantendo o mesmo estilo.

 

 

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade